Controle de ponto para agronegócio: Saiba como a tecnologia pode ajudar esse setor da economia

imagem de um trator em uma plantação

Se acompanhar a jornada de trabalho de profissionais em home office já é desafiador, imagine realizar o controle de ponto para agronegócio.

Apesar das dificuldades desse processo, muitos gestores precisaram encontrar soluções, para que o controle de ponto para agronegócio se tornasse diário, isso porque, o artigo n° 74 da CLT determina que toda empresa que conta com 20 ou mais funcionários deve realizar o controle de ponto. 

Mas, como lidar com as adversidades do trabalho no campo, e conseguir implementar novas tecnologias a um dos setores econômicos que mais contrata e cresce no Brasil?

Pode até parecer difícil controlar o ponto de pessoas que atuam no agronegócio, mas, com o uso do celular, isso pode ser possível mesmo em regiões remotas. E para que você entenda com detalhes como o controle de ponto para agronegócio pode ser realizado, reunimos neste conteúdo as seguintes informações:

Aproveite a leitura!

Agronegócio: contexto

imagem de uma pessoa em uma horta regando plantas

O agronegócio é uma das principais atividades da economia brasileira, representando 28% do Produto Interno Bruno nacional (PIB), e sua prática garante alimentação e renda para muitos países.  

Esse setor liga a produção agropecuária à industrialização e comercialização de produtos vindos de lavouras e pecuária, e dentre os cinco maiores produtores agrícolas do mundo estão: China, Estados Unidos, Brasil, Índia e Rússia.

O Brasil é uma grande potência do agronegócio, e mesmo com todas as crises motivadas pela pandemia do COVID-19, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o setor teve um crescimento de 19,7% em 2021, arrecadando uma receita histórica de US$ 120,6 bilhões.

Dentre os países abastecidos pelos produtos do agronegócio brasileiro, estão o Egito, a Turquia, o Irã, o Chile e os Estados Unidos, e, em 2021, os produtos que tiveram suas exportações priorizadas pelo Projeto Agro.BR foram o chá, mate e especiarias (aumento de 97%), pescados (aumento de 68,2%), e lácteos (aumento de 17,3%).

Tecnologia no agronegócio

A tecnologia está presente em todos os processos de empresas, e com o agronegócio isso não seria diferente, e, com a informatização do setor rural, empresas especializadas em tecnologia para agricultura surgiram.

As chamadas agtechs já movimentam cerca de US$ 67,3 milhões em aportes e investimentos, e, segundo o Radar Agtech Brasil, só no Brasil já existem cerca de 1,5 mil agtechs ativas.

Muitas ferramentas têm sido criadas a fim de garantir um crescimento cada vez mais potente e sustentável para o setor agrícola, e isso pode ser visto tanto em processos de digitalização, quanto em equipamentos menos poluidores. 

Diversas empresas já criam maquinários tecnológicos, que são usados no agronegócio para reduzir a poluição, ou, dão mais autonomia para os produtores e colaboradores do setor.

Ferramentas de monitoramento criadas para o acompanhamento da saúde dos animais e plantações, e também tecnologias usadas para melhorar o dia a dia dos trabalhadores agrícolas, transformando o agronegócio em um setor ainda mais promissor. 

Legislação trabalhista no agronegócio

É muito importante saber como a legislação trabalhista no agronegócio funciona, afinal, esse é um setor em constante crescimento, e é uma das áreas que mais emprega pessoas no Brasil. 

Segundo informações do CAGED, o agronegócio gerou mais de 152 mil empregos formais no primeiro semestre de 2021. Um número bastante expressivo que deve ser observado com cuidado por profissionais de RH que contratam pessoas para essa área de atuação.

Apesar de normalmente o setor de agronegócios ser movimentado por empresas familiares, muitas pessoas de fora das fazendas e campos são contratadas para atuar colaborando em produções agrícolas, cuidados com animais, e outras funções, por isso, é fundamental saber que existem leis trabalhistas que devem ser respeitadas também no agronegócio.

Os profissionais do agronegócio são empregados de atividades rurais, e possuem direitos baseados na Consolidação das Leis do Trabalho, e também previstos nas leis 5889/73, Lei 605/49, Lei 4725/65, com as alterações da Lei nº 4903/65 e alguns Decretos-leis.

A legislação trabalhista no agronegócio também é abraçada por algumas portarias, dentre elas, a Portaria 22.677, que aprovou a redação da Norma Regulamentadora n.º 31, sobre Segurança e Saúde no Trabalho nas atividades de Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura.

Quem trabalha no agronegócio é considerado trabalhador rural?

Os trabalhadores rurais são os profissionais do agronegócio, ou seja, toda lei que se destina ao empregado rural, está, automaticamente, incluindo todos que atuam no agronegócio.

Segundo a Lei 5.889/73, art. 2º, “empregado rural é toda pessoa física que, em propriedade rural ou prédio rústico, presta serviços de natureza não eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário”

Esse profissional responde ao empregador rural, que, segundo a mesma lei citada acima, em seu art. 3º, é “a pessoa física ou jurídica, proprietário ou não, que explore atividade agroeconômica, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou através de prepostos e com auxílio de empregados”.

O trabalho rural foi formalizado em 1988, pela Constituição Federal, e desde então passou a adotar muitas das normas que seguem os trabalhadores de outros setores, porém, é preciso dizer que a jornada de trabalho de quem atua no agronegócio é diferente, já que as atividades requerem maior desgaste físico.

Ainda assim, todo empregado rural deve ter sua atividade registrada em Carteira de Trabalho, e receber direitos trabalhistas como salário, férias, 13.º salário, e ser inscrito no INSS e FGTS.

É importante reforçar que o trabalhador rural tem outros direitos, além dos prescritos na CLT, sendo fundamental que a pessoa responsável em avaliar o cumprimento de todas as normas, conheça todas as leis, decretos e normas que devem ser respeitadas, a fim de evitar complicações jurídicas para o empregador rural.

Quais as regras para a jornada de trabalho no agronegócio?

imagem de um homem em uma plantação

A jornada de trabalho dos trabalhadores rurais é de 44 horas semanais e 220 horas mensais. Sendo assim, a duração do trabalho diário não pode ultrapassar oito horas, a menos que a prorrogação do trabalho seja combinada previamente entre o colaborador e seu empregado.

Como determinado pela CLT, qualquer trabalho contínuo com duração superior a seis horas, deve contar com um intervalo mínimo de uma hora, conhecido popularmente como pausa, ou o intervalo intrajornada, que pode ser utilizado para repouso ou alimentação.

Além disso, o intervalo interjornada deve ser de no mínimo 11 horas entre duas jornadas de trabalho, e com relação a horas extras, o máximo permitido por dia são duas horas suplementares.

Lembrando que o pagamento de horas extras deve ser realizado com o acréscimo de, no mínimo 50% sobre a hora normal de trabalho, conforme estabelecido pelo art. 7, inciso XVI da Constituição Federal, e art. 59 § 1º da CLT, mudado pela Reforma Trabalhista.

É necessário realizar o controle de ponto?

O controle de ponto para agronegócio é obrigatório para empresas que possuam mais de 20 colaboradores. Essa norma já era regulamentada pelo artigo 74 da CLT, amparado pelas portarias 373 e 1510 do MTE, substituídas pela Portaria 671.

No parágrafo 2° do artigo 74, está descrito que o controle de ponto para agronegócio e outras empresas com mais de vinte funcionários, deve ser realizado por meio de controle manual, mecânico ou eletrônico.

Sendo assim, cabe à empresa determinar qual o melhor jeito de controlar o ponto dos seus colaboradores. 

Quais os desafios do controle de ponto no agronegócio?

Realizar o controle de ponto no agronegócio pode ser um desafio para as empresas do setor, isso porque, boa parte do trabalho agro é realizado em fazendas, ou casas, onde muitas vezes não existe um escritório, ou a infraestrutura é precária.

Por isso, é fundamental que quem lida com a gestão de pessoas dessa área, esteja preparado para enfrentar desafios, já que podem surgir muitos desafios ao longo dessa gestão. Falaremos a seguir dos defeitos do controle de ponto no agronegócio. Confira.

Ausência de energia elétrica

Normalmente, o agronegócio é realizado em regiões nem sempre favorecidas de infraestrutura, já que geralmente as áreas de campo ficam em regiões montanhosas, que dificultam o acesso de empresas que ofereçam coisas básicas, como energia elétrica.

Sendo assim, realizar o controle de ponto no agronegócio utilizando um equipamento que não seja autônomo, e precise estar conectado à energia elétrica o tempo todo, pode ser um grande problema. Principalmente para empresas localizadas em lugares ermos. 

Locomoção

Outra questão que pode ser um problema na hora de realizar o controle de ponto no agronegócio, está relacionada com a locomoção.

Muitas empresas desse setor têm dificuldades em registrar a jornada dos colaboradores, por não conhecer soluções de controle de ponto que possibilitem o registro em qualquer hora ou local. 

Essa é uma questão importante no agronegócio, pois, muitos profissionais atuam em locais de difícil acesso, ou, estão em frequente locomoção, atuando em rota de entrega e transporte das produções. 

Ausência de internet

Mais um problema que os negócios agrícolas têm em mente, é a qualidade precária da internet nas regiões de campo.

As áreas rurais são muito prejudicadas pela precariedade da internet, e esse é um dos grandes gargalos do agronegócio, que, apesar de ser um setor em amplo desenvolvimento, enfrenta muitos problemas de comunicação com o mundo, graças à falta de um serviço de internet de qualidade no campo. 

Local para instalação de relógio

Outro fator relevante, destacado como um defeito que pode prejudicar o controle de ponto no agronegócio, é a definição de um local para um relógio de ponto. Isso porque, apesar de algumas fazendas possuírem uma sede, muitas delas são enormes, o que exige um grande descolamento dos colaboradores, apenas para registrar o ponto.

Outro problema é que muitas empresas não têm uma sede no campo, ou tem algum problema de infraestrutura, como falta de energia constante, ou internet ruim, isso impossibilita a instalação de um relógio de ponto, e acaba tornando o ponto manual a alternativa possível, para o registro de ponto.

Anotações manuais

Por conta de todas as dificuldades do controle de ponto para agronegócio, é muito comum que esse processo seja realizado por meio de anotações manuais, dessa forma, o encarregado de pessoas pode combinar com cada colaborador, para que eles mesmo anotem seus horários.

Claro que o registro manual funciona, e por muitos anos foi o formato de controle de ponto mais utilizado pelas empresas, principalmente no setor de agronegócio. Porém, anotações manuais podem ser facilmente alteradas, o que pode ser bastante prejudicial, tanto para o negócio como para o funcionário.

Como o PontoTel pode ajudar no controle de ponto para agronegócio?

imagem de uma pessoa segurando um celular e usando o aplicativo de controle de ponto da pontotel

Como vimos, controlar o ponto no agronegócio requer muita atenção, pois, os processos no campo exigem uma infraestrutura específica para funcionar, por isso, é fundamental que caso o produtor ou fazendeiro resolva adotar um sistema de ponto, esse sistema seja eficiente, e funcione respeitando todas as adversidades do agronegócio.

Por isso, é fundamental avaliar as possibilidades de controle de ponto para agronegócio, e uma das mais eficientes no mercado atualmente, é o PontoTel, o controle de jornada que funciona em qualquer lugar, seja via computador ou por aplicativo.

Interface amigável

O sistema de controle de ponto da PontoTel é rápido, intuitivo e tem uma interface amigável, que garante flexibilidade no controle das informações e na integração com outros sistemas internos do negócio, caso exista.

Isso favorece tanto o gestor de equipe, que consegue fazer o gerenciamento de ponto com mais agilidade, como os colaboradores, que têm acesso a uma interface simples de entender, com ícones grandes e acessíveis, feitos para que qualquer pessoa consiga marcar seu ponto sem erros.

Diversas formas de bater o ponto

Com o PontoTel o controle de ponto para agronegócio fica muito mais fácil de ser feito, sem desculpa para a falta de sinal de internet, ou problemas com energia elétrica, isso porque, o ponto da empresa pode ser cadastrado via:

São diversos formatos de registro, que facilitam o dia a dia de quem trabalha no campo, e ainda centraliza tudo em um só sistema.

Móvel

Outra vantagem de utilizar o sistema de registro de ponto do PontoTel, é o fato de que o registro do colaborador é realizado mesmo quando o smartphone ou dispositivo estiver sem acesso a dados, ou uma rede de internet.

Tanto para gerenciamento, quanto para bater o ponto, o sistema funciona de forma remota, facilitando o controle de ponto para agronegócio, sem contar na geolocalização, que pode ser uma ferramenta muito útil, para garantir mais segurança tanto aos gestores como aos colaboradores. 

Não necessita de aparelhagem específica

Além do sistema do PontoTel ser fácil de utilizar, ele pode ser instalado em qualquer aparelho celular ou tablet, com sistema Android ou IOS, possibilitando que o registro de ponto seja realizado em qualquer lugar, a qualquer hora.

Além disso, graças à capacidade de atuar online e offline, o controle de ponto para agronegócio se torna possível, independente da região, sem a necessidade de uma aparelhagem específica para isso.

Funcionamento offline

A funcionalidade de bater ponto offline, é, sem dúvidas, a maior vantagem para empresas do agronegócio, que, muitas vezes atuam em regiões remotas, com um sinal de internet e dados muito ruins.

Com o PontoTel, além do sistema de ponto ser disponibilizado via aplicativo, em aparelhos como tablet e smartphone, também é possível registrar o ponto quando não houver sinal de internet. 

As informações do registro ficam armazenadas no aparelho, sendo sincronizadas com o sistema no momento em que o aparelho tiver alguma rede de internet.  

Apenas uma observação, o recomendado é que essa transmissão de dados aconteça ao menos uma vez ao dia.

Sistema focado em operações complexas

O sistema da PontoTel foi desenvolvido para operações complexas em grandes ou pequenas empresas. Com essa ferramenta os gestores têm:

  • um sistema completo, com sistema de registro de ponto e um painel de controle intuitivo;
  • segurança no registro e no manuseio e exportação de dados;
  • possibilidade de acompanhar a jornada dos colaboradores em tempo real; 
  • melhor gestão operacional e controle de equipes;
  • melhor gestão de escalas. 

Conheça o PontoTel

imagem de uma mulher no meio de uma plantação segurando um tablet

O PontoTel é um software de registro, gestão e tratamento de ponto inteligente, completo e seguro, que respeita todas as normas da Portaria 671, e possui um banco de horas com regras de cálculo personalizáveis, que podem ser ajustadas à realidade e às regras específicas do agronegócio. 

Essa solução de controle de ponto para o agronegócio já foi adotada por grandes, médias e pequenas empresas, e é uma solução capaz de agilizar processos, reduzir gastos com papéis, e ainda melhorar o gerenciamento da jornada dos colaboradores. 

Quer conhecer o PontoTel na prática? Agende uma demonstração GRATUITA com um de nossos especialistas, através do formulário abaixo: 

Conclusão

O controle de ponto para agronegócio é uma exigência trabalhista, que deve ser cumprida sempre que a operação tiver mais de 20 colaboradores.

Essa gestão, que pode até ser considerada uma tarefa simples de se fazer, é um grande problema para quem trabalha no campo, graças a questões de falta de infraestrutura, que podem prejudicar a captação de informações.

Pensando nisso, é muito importante que as empresas do setor agro, conheçam empresas que ofereçam tecnologias sustentáveis, e garantam o cumprimento de regras trabalhistas que podem gerar sérios problemas jurídicos, quando não respeitadas. 

Nesse contexto, é essencial que esses negócios conheçam soluções como o PontoTel, que tornam o controle de ponto para agronegócio mais fácil e acessível para todos os segmentos dessa área.

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe esse artigo nas suas redes sociais, e não esqueça de assinar nossa newsletter!

Compartilhe em suas redes!
Rolar para cima